Em carta dirigida ao presidente do INAC , a Direcção da Aopa Portugal manifesta a sua crescente preocupação face ao avolumar de problemas que afectam a aviação geral no nosso País e que têm determinado uma redução considerável na actividade aeronáutica e o encerramento ou paralisação de vários aeroclubes.

Para além da crise económica e financeira do País, que obviamente se faz sentir intensamente no sector, as modificações no ambiente regulatório europeu, e a errada aplicação à aviação geral, de exigências concebidas para a aviação de transporte comercial, conjugados com a forma de actuação do INAC no sector da aeronavegabilidade, têm, no entender da Aopa Portugal, constituído um factor de paralisação ou redução da actividade aeronáutica  de aviação geral, multiplicando os obstáculos e os custos,  sem qualquer ganho em acréscimo de segurança.
Semelhante estado de coisas contraria frontalmente os objectivos enunciados pela própria EASA para a Europa e que consistem em aproximar as condições de regulação da aviação geral na Europa dos padrões mais flexíveis da FAA norte-americana.
Por essa razão, e para se sentir habilitada a agir junto à IAOPA e à EASA com pleno conhecimento de causa, a Direcção da Aopa Portugal  solicitou ao INAC uma reunião urgente.